As fotos deste Blog são de mérito de quem as tirou. O crédito mencionado a cada foto é de quem possui cópias ou até mesmo as originais.

03 maio 2013

Movimento TFP - Tradição, Família e Propriedade, Rua Marechal Deodoro, em maio de 1975 (arquivo do Blog Maria do Resguardo).

Ema disse: organização fundamentalista de orientação católica, criada em São Paulo por Plínio Corrêa de Oliveira (que erradamente o confundem com Plínio Salgado) que, entre outras sandices apoiou o golpe de 64. Ver mais em comentários.


13 comentários:

  1. Década de 70... Época maravilhosa, de uma maneira geral... Sinto saudades! Angelo.

    ResponderExcluir
  2. A legenda da foto está errada pois o desfile é da famigerada TFP - Tradição, Família e Propriedade, organização fundamentalista de orientação católica, criada em São Paulo por Plínio Corrêa de Oliveira (que erradamente o confundem com Plínio Salgado) que, entre outras sandices apoiou o golpe de 64.
    Levaram muita "porrada" em frente ao Rex Bilhares, na Halfeld, Juiz de Fora, (eu estava lá!) kkkkkkkkkkk
    Ema
    Ema

    ResponderExcluir
  3. Faz sentido, pois a turma dos Hare Krishna usavam túnicas alaranjadas, incensos e algumas espécies de instrumentos musicais.

    ResponderExcluir
  4. Digna e educada a sua atitude, Ivan. Você mostrou ser um cidadão educado, culto e que preza a ótima imagem do Blog Maria do Resguardo. Angelo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, tenho muito carinho por esse blog e reconsiderei porque aqui não há espaço para intolerâncias e confrontos. Grande abraço e a paz de Cristo.

      Excluir
  5. Não são Hare Krishnas, com toda certeza. Maristela.

    ResponderExcluir
  6. Marcelo: Você tem certeza de que o pessoal da foto são Hare Krishnas?

    ResponderExcluir
  7. A estrepitosa e desastrosa manifestação pública da TFP buscava o apoio do povo CONTRA a aprovação da Lei do Divórcio no Brasil, sob a alegação de que tal lei contrariava os princípios da fé católica, da qual se diziam guardiães.
    Pela manhã daquele dia, ao se apresentarem no pátio da Academia (diga-se, um Colégio Católico), foram recebidos com muitas vaias, zombarias e uma chuva de bolas de papel molhado e outros objetos que os obrigaram a sair rapidamente do local.
    Lembro que naquela época, as manifestações de trabalhadores ou estudantes em atos públicos exigindo a volta da democracia eram sistematicamente coibidas pelas autoridades com o emprego de violência pela força policial, enquanto as manifestações da TFP ocorriam sem nenhuma objeção. Talvez tenha sido isto o estopim para tanta animosidade a eles.
    Quando a caminhada da TFP chegou na rua Halfeld, defronte onde é hoje o Banco do Brasil, sem que houvesse qualquer comando, iniciou-se uma pancadaria com ares de luta medieval.
    Mastros que seguravam os galhardetes esgrimaram com tacos de sinuca. Tapas, socos e pontapés disputaram pedaços dos já esfarrapados estandartes, paletós e camisas como se fossem troféus de guerra.
    O quiproquó durou não mais que alguns minutos e após a debandada dos membros da TFP e serenado os ânimos, alguns permaneceram no local, onde havia uma casa de bilhar, o Rex Bilhares, e ainda alvoroçados, discutiam os feitos da contenda, saboreando o famoso queijo frito no espeto com refrigerante.
    Ninguém me contou, eu estava lá.
    Ema

    ResponderExcluir
  8. Na foto aparecem a Camisaria Colombo, as Casas Regente e o Supermercado MERCI (este, localizado em frente aos Correios). A passeata estava na rua Marechal Deodoro, portanto. Naquela época, houve muita marcha ou passeata da TFP, sempre com o beneplácito das Forças Armadas e a direita conservadora junto com a Igreja Católica (que organizou a Marcha com Deus pela Liberdade na época do golpe militar).

    Não sei se foi na mesma sequência, no mesmo dia, que esta marcha adentrou a rua Halfeld e se defrontou com a reação mencionada por Ema, nos comentários anteriores, mas houve o confronto com certeza. Eu também estava lá e da sacada do Rex Bilhares assisti o início do confronto. Após alguns xingamentos do público dirigidos aos membros da TFP, estes usaram os paus dos estandartes para agredir a população. Foi quando o pessoal que estava no Rex Bilhares desceu com os tacos de sinuca e se confrontou com os militantes da TFP, que apanharam bastante antes de correrem para todos os lados. Houve ainda quem usasse os extintores de incêndios do REX para despejar o pó branco químico nos corpos dos militantes da TFP, que saíram manchados na "honra" e no corpo.

    Uma epopeia, uma pequena batalha social no contexto de quem era a favor e contra o direito ao divórcio.

    ResponderExcluir
  9. Os nazi-fascistas entraram na porrada aquele dia, eu estudava na Academia e joguei um saco plástico de pipoca cheio de xixi nos caras, eu estava ali no segundo andar debaixo do relógio. Bons tempos.

    ResponderExcluir
  10. Curioso como são diferentes as versões. Participei da TFP e ninguém lá se abriu "humilhado" nessa pancadaria. Pelo contrário, gostaram, e só saíram porque receberam ordens. Mas muitos anos depois isso foi contado como uma grande campanha.

    ResponderExcluir